Para não dizer que eu não falei das flores!

Entre luzes e sombras, vivemos todos nós!
O passado nos relembra alegrias e boas lembranças, fardos e más recordações, em forma de saudosa ou melancólica nostalgia!
O presente pode refletir o antes e o futuro ser construído em cima desse alicerce.
Dizem, então, os estudiosos nos assuntos da mente e da alma que é necessário realizarmos de vez em quando, uma catarse, ou seja, uma libertação, expulsão ou purgação daquilo que se tornou estranho à essência ou a natureza do nosso ser. O objetivo é encerrar pendências, solucionar conflitos, eliminar o lastro desnecessário e resgatar os acontecimentos passados, sob um novo olhar, sob um novo prisma, agora já arrefecidos os sentimentos e batido a poeira no chão.
Nesse ano de 2007, completo 27 anos de Umbanda, esse marco representa o fechamento de um ciclo.
Para quem desconhece a minha história, esse ciclo se iniciou em 1979, em Fortaleza/CE onde resido, quando pisei pela primeira vez, em um terreiro de Umbanda. No ano de 1986, esse terreiro adotou a Umbanda Omolocô, onde fui iniciado e no meio do ano de 2006, me afastei definitivamente.
Os 25 anos e meio de vida umbandista, nesse terreiro em questão, possuem seu ponto alto, nos sentimentos muito bem expressos no livro, que escrevi e foi lançado pela editora Ícone em 2002, "Umbanda Omolocô – Liturgia, rito e convergência na visão de um adepto".
Os acontecimentos que culminaram com o meu afastamento, são estritamente pessoais e representados pela decepção com pessoas, a desilusão com atitudes, o desencanto com a descoberta de realidades inaceitáveis e finalmente a falta de respeito, consideração e reconhecimento pelas décadas de dedicação extrema.
Falamos assim em dois lados da mesma moeda, em situações que podem muito bem, fazer parte da vida de muita gente, umbandista ou não.
A todo instante, podemos vivenciar essas etapas em nossa existência. E quais são elas?
O período de encantamento, representado pela descoberta de algo novo em nossas vidas; a etapa da estabilidade que ocorre após esse deslumbramento inicial, alicerçada pela fidelidade, o respeito, a dedicação e a consideração; e finalmente, o encontro com a realidade, fruto do tempo, que pode muito bem, trazer resultados positivos ou negativos, dependendo da qualidade das reais intenções, da sinceridade, e das verdades, que existiam nos elementos envolvidos em cada caso.
Ao nos depararmos com essa realidade, suas etapas e sendo os seus resultados negativos, é preciso que se tome uma atitude cartesiana. Tal qual, a Descartes, produzir uma desconstrução, até aceitarmos que nada somos para reconstruir tudo novamente e voltar a sermos algo válido para nós mesmos e não mais para os outros.
Nesses casos, invariavelmente convivemos com as provações da solidão, do descrédito imposto por outrem, da segregação coletiva inexplicável e do silêncio proposital para deixar-nos sem resposta. Tudo isso serve para descobrimos e reconhecermos por si só, os valores e qualidades inerentes a nossa alma e a força da nossa fé. No popular, como se diz, o que não nos mata, engorda!
Importante é sabermos separar as coisas. Em qualquer situação, a religião nada tem haver com as atitudes das pessoas.
Graças a Zambi, esta foi a salvaguarda que preservou a minha fé, me fez continuar em frente.
Esses reveses, portanto, se tornou os dínamos geradores das condições para eu chegar onde estou hoje.
Aprendi a caminhar com minhas próprias pernas, conquistei um auto-conhecimento que não possuía, ampliei minha visão de mundo, ganhei em experiência e vivência e hoje, me considero um umbandista, um pensador com clareza de opinião e dotado de um discernimento crítico, enfim, uma alma livre!
Ao provocarmos essa catarse, a vantagem é descobrirmos que, verdadeiramente, nada são as causas geradoras desses reveses, que os significados dessas causas em sua vida, viraram pó e você conseguiu como Paulo, retirá-las das suas sandálias.
Eliminado assim o lastro, saímos fortalecidos e renovados, na certeza que estamos prontos para seguir a jornada, sem dever mais nada ao passado.
Por todo esse processo vivenciado, permitam-me pronunciar um sincero e totalmente verdadeiro: MUITO OBRIGADO!
Afinal, fecho esse ciclo de 27 anos, como escritor e umbandista plenamente atuante no movimento. Lancei o blog "Umbanda sem mistério", além de contribuir com artigos para o Correio da Umbanda e o JUCA – Jornal de Umbanda Carismática. Participo de diversas listas de discussão sobre Umbanda na internet.
Sou Coordenador Regional para o Ceará do CONUB – Conselho Nacional da Umbanda do Brasil e faço parte do Conselho Editorial do JBU – Jornal Brasileiro de Umbanda, com artigos publicados.
Sou ligado a Escola de Síntese e possuo laços profundos e participação ativa na O.I.C.D. – Ordem Iniciática do Cruzeiro Divino, na F.T.U. – Faculdade de Teologia de Umbanda e contatos relevantes com a Umbanda Omolocô em Minas Gerais.
Freqüento atualmente, o C.E.U. Jesus, Maria e José, dirigido por Mãe Balbina, em Fortaleza/CE onde resido, e junto com Mãe Gardênia de Iansã e Débora do Ogum, irmãs-de-fé, de trabalho e de luta, estamos procurando colaborar da melhor forma com o movimento umbandista. Fazemos parte de uma nova geração, que respeitando a sabedoria e a experiência dos mais antigos, está batalhando para inserir definitivamente a Umbanda no contexto da sociedade, livre de preconceitos e discriminação, além de promover uma renovada conscientização política, filosófica, religiosa, social e cultural de todos os umbandistas.
Isso tudo é que me traz a plena certeza, do quanto essa catarse propiciou o final de um ciclo e a construção de um novo.
Para não dizer que eu não falei das flores, no jardim da minha vida, hoje, somente sinto o cheiro, daquelas que eu mesmo plantei depois que o solo, ficou totalmente limpo das ervas daninhas!
Artigo anterior: Faculdade sem o ABC!

Comentários

Anônimo disse…
Me emocionei com suas palavras, atualmente me encontro em um completo dilema, ler seu artigo me reacendeu uma luz que achei estar apagando...Um grande abraço.(madeleine)

Postagens mais visitadas deste blog

Vendo Feituras de Santo!

Eparrei Minha Mãe Iansã!

Palavras Cruzadas